Em gestão corrente ...como o País...

Outubro 18 2007

 

   

   Mais uma canção de Adriano Correia de Oliveira, com letra de Manuel Alegre.

   Na 1ª fotografia reconhecem-se os seus acompanhantes predilectos: António Portugal, cunhado de Manuel Alegre, excelente guitarrista, já falcido; Rui Pato, o menino de ouro da viola, médico pneumologista (actualmente a presidir ao Centro Hospitalar de Coimbra) e Durval Moreirinhas de que perdi o rasto.

  



Março 26 2007

                  

(nestes tempos em que parece que a TV pública(!) aposta em baralharar os mais novos e recuperar (branqueando!) um passado doloroso  e vergonhoso para o povo português, retomo este poema de Manuel Alegre , para que ninguém se esqueça  da fome, do analfabetismo, das prisões politicas, da fuga à guerra colonial, da emigação ilegal massiva (1 milhão de emigrantes ilegais no inicio dos anos 70), fosse por motivos económicos fosse por motivos politicos )

         

              

Solitário

por entre a gente eu vi o meu país.

Era um perfil

de sal

e abril.

Era um puro país azul e proletário.

Anónimo passava. E era Portugal

que passava por entre a gente e solitário

nas ruas de Paris.

     

Vi minha pátria derramada

na Gare de Austerlitz. Eram cestos

e cestos pelo chão. Pedaços

do meu país.

Restos.

Braços.

Minha pátria sem nada

despejada nas ruas de Paris.

     

E o trigo?

E o mar?

Foi a terra que não te quiz

ou alguém que roubou as flores de abril?

Solitário por entre a gente caminhei contigo

os olhos longe como o trigo e o mar.

Éramos cem duzentos mil?

E caminhávamos. Braços e mãos para alugar

meu Portugal nas ruas de Paris.

      

Manuel Alegre

    

 


 

emgestaocorrente às 19:28

mais sobre mim
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


links
pesquisar
 
WEBOSCPE
Colocado a 1/10/2008
blogs SAPO