Em gestão corrente ...como o País...

Abril 15 2008

      

   Rui Gomes da Silva é um dos muitos deputados anónimos que decoram a Assembleia da República há várias legislaturas sem que ninguém dê por eles; neste caso , perpetua-se no grupo parlamentar do PSD.

   Ninguém lhe conhece uma ideia para o país.

   Durante anos, intermitentemente, e com longos intervalos, o seu nome apenas aparecia ligado a movimentos de facções no Benfica.

   Com a ascenção de Pedro Santana Lopes, o seu nome apareceu como seu indefectível, manobrando, na sombra, o caminho do seu protector.

   Nas circunstâncias conhecidas (fuga de Durão Barroso  para o El Dorado europeu), PSL ascendeu a primeiro ministro e o seu fiel sevidor a ministro de qualquer coisa (alguém se lembra?).

   Continuou o seu silêncio ensurdecedor sobre o país e os seus rumos (ou falta deles).

   Um dia, farto de ser mais um anónimo a quem ninguém ligava importância, aproveitou uma ida a Viseu para dizer uns dislates sobre televisão e Marcelo Rebelo de Sousa.

   Caíu o Carmo e a Trindade e o ilustre desconhecido virou capa de revista e de jornal. Pelo ridículo? Não interessa, falou-se dele!

   Regressado ao limbo dos desconhecidos anónimos, anteviu o regresso à ribalta com a candidatura de Luis Filipe Meneses à presidência do PSD.

   Tornar-se uma sombra obcessiva de LFM aconteceu num ápice.

   Com o mesmo fervor com que corria atrás de PSL passou a seguir a sombra de LFM; e apesar do seu servilismo ter sido recompensado com um lugar de topo na cupula politica do PSD, a verdade é que a ninharia politica que era, ninharia politica continuou.

   Assim, como ganhar protagonismo e agradar ao chefe?

   Um dia, soube por uma personagem igual à sua, com a única diferença de ser do Porto (alguém reteve o seu nome? - Branquinho, parece), que uma senhora chamada Fernanda Câncio, jornalista do Diário de Noticias, cuja principal notoriedade parecia ser a de manter uma relação de namoro (?) com o "Eng.º" José Sócrates, iria ser contratada para colaborar num programa da RTP.

   Apesar da RTP, como aliás as outra televisões, estar cheia de nulidades, aqui d'El Rei que esta era uma nulidade que não podia ser contratada!

   E porquê? Porque fazia propaganda do governo e namorava com o primeiro ministro!

   Francamente! O 1º argumento não estava demonstrado, visto que ainda não foi transmitido qualquer programa; não passa, pois, de um processo de intenções, o que é democráticamente condenável; o 2º é ridículo e impróprio de uma mente sã.

   Assim, com colaboradores destes, meu caro Luis Filipe Meneses, não é preciso ter inimigos e o Sr. Pinto de Sousa estará descansado com os resultados das próximas eleições.

    

   PS (abrenúncio!):

   Declaração de interesses:

  • Sou militante do PSD.
  • Apoiei e dei o nome e a cara por Luis Filipe Meneses.
  • O último que apoiei foi Marcelo Rebelo de Sousa que, não sei porquê, se demitiu antes das eleições que teria ganho (até Durão as ganhou!) e o presente e futuro de Portugal seriam, decerto, mais risonhos.
  • Faço minhas as palavras de Ângelo Correia.   


emgestaocorrente às 21:31

Fevereiro 09 2007

     

      Mais uma vez o Dr. M. Mendes começa bem e acaba mal.

      Inicialmente, declarou que o partido não tinha posição oficial no referendo ficando a decisão à consciência individual de cada militante; e pelo que se vê, o PSD está partido a meio.

      Depois declarou que a sua decisão individual era de votar não.

      Até aqui tudo bem.

      O pior veio depois: meteu-se na campanha pelo não, aparecendo todos os dias na televisão a visitar pequenas iniciativas caridosas que ao fim e ao cabo nada resolvem e entregou os tempos de propaganda do partido, exclusivamente, aos partidários do não!

      E assim ficou de mal com Deus e com o Diabo: os do "sim" não se esquecerão e estes "chico-espertismos" à bimbo português pagam-se caro no futuro, tanto mais que a vitória do sim parece certo; os do "não" nunca lhe perdoarão a falta de posição oficial do partido e sempre o irão acusar de falta de coragem, com o Prof. das homilias dominicais à cabeça e sempre à espera de voltar à liderança!

     

 

 


emgestaocorrente às 21:14

Fevereiro 01 2007

 

      O Dr. Marques Mendes lidera o maior partido da oposição e o único que pode vir a governar o país, sozinho ou com a muleta do CDS (no Caldas)/PP (no Parlamento).

      Embora lhe falte carisma para levar o partido a bom porto, tem demonstrado, em diversas ocasiões, uma grande seriedade de carácter e bastante coragem ética.

      Quem não se lembra do seu afastamento critico da loucura do "menino guerreiro", que arrastou uma grande maioria dos militantes, e da sua recusa em apadrinhar os pequenos mandarins de Gondomar (o major "quantos são, quantos são?") e de Oeiras (o Isaltino dos sobrinhos), mesmo sabendo antecipadamente que iria perder estas Câmaras.

      Por isso é penoso ver que o Dr. Marques Mendes, deputado, aprova sem pestanejar a pergunta do próximo referendo, enquanto o Dr. Marques Mendes, líder do partido, reprova a pergunta, considerando-a "enganosa".

      Assim, Dr. Marques Mendes, não!

      Assim, Dr. Marques Mendes, não se admire que até aquela triste figura do Dr. Louçã lhe dê um xeque-mate!

 


emgestaocorrente às 22:34

Janeiro 23 2007

 

 

 

      Prémio: Mamã quero ser líder parlamentar!

      PSLopes, o "menino-guerreiro", o tal que sabia pelos jornais das demissões dos ministros que eram seus amigos intimos, no meio das lições de piano que diz frequentar lançou uma campanha nos jornais para ser líder parlamentar.

      Antes o Bota a cantar canções pimba!

 

 


 

emgestaocorrente às 15:37

Janeiro 23 2007

   

 

 

     P.S.Lopes (celebrizado como "menino-guerreiro") informou as revistas cor de rosa que andava a aprender a tocar piano.

      Prevê-se um grande aumento da venda de bolas de algodão para os ouvidos.

 

 


 

 
emgestaocorrente às 09:37

mais sobre mim
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


links
pesquisar
 
WEBOSCPE
Colocado a 1/10/2008
blogs SAPO