Em gestão corrente ...como o País...

Fevereiro 11 2011

   O PAÍS, DIZEM, ESTÁ EM CRISE.
   OS ORDENADOS BAIXAM, AS REFORMAS SÃO DIMINUÍDAS, OS BENEFÍCIOS SOCIAIS SÃO RETIRADOS, OS PREÇOS DOS PRODUTOS PETROLÍFEROS SOBEM DIARIAMENTE E SÃO DOS MAIS CAROS DO MUNDO.
   CRISE? TRETAS:
A GALP AUMENTOU OS LUCROS EM MAIS DE 40%!!!
...E BIBA O XOXIALISMO!


emgestaocorrente às 22:30

Fevereiro 11 2011


   O PAÍS, DIZEM, ESTÁ EM CRISE.
   OS ORDENADOS BAIXAM, AS REFORMAS SÃO DIMINUÍDAS, OS BENEFÍCIOS SOCIAIS SÃO RETIRADOS, OS JUROS DOS EMPRÉSTIMOS BANCÁRIOS NÃO PARAM DE SUBIR.
   CRISE? TRETAS:
OS BANCOS, COM OS MESMOS LUCROS, PAGARAM MUITO MENOS IMPOSTOS!!!
...E BIBA O XOXIALISMO!!!


emgestaocorrente às 22:10

Fevereiro 11 2011

    VALPAÇOS É UM CONCELHO DE 20 MIL HABITANTES NA REGIÃO MAIS ENVEHECIDA, MAIS POBRE E MENOS DESENVOLVIDA DA EUROPA OCIDENTAL.

   TINHA UM HOSPITAL, DA MISERICÓRDIA, QUE MELHOR OU PIOR, IA RESOLVENDO OS PROBLEMAS CORRENTES DE SAÚDE DA POPULAÇÃO.

   POR DESENTENDIMENTOS ENTRE O MINISTÉRIO (MAS AINDA HÁ MINISTÉRIO DA SAÚDE EM PORTUGAL?) E A MISERICÓRDIA LOCAL, O HOSPITAL FECHOU HÁ MAIS DE UM MÊS, NÃO PAGANDO AOS TRABALHADORES.

   HOJE, OS TRABALHADORES E A POPULAÇÃO REVOLTARAM-SE E TENTARAM OCUPAR E REABRIR O HOSPITAL, HAVENDO CONFRONTOS FÍSICOS COM A GNR.

   É PREVÍSIVEL A GENERALIZAÇÃO DE REVOLTAS POPULARES ESPONTÂNEAS,  COMO ESTA, BEM COMO O AUMENTO DA SUA VIOLÊNCIA, À MEDIDA QUE O "ENG.º" DESENVOLVER O SEU "ESTADO SOCIAL".

 

 

 


emgestaocorrente às 21:41

Dezembro 05 2010

 

   O governo decretou uma redução de ordenados, para o próximo ano, para uma parte substancial dos funcionários públicos.

   Carlos César, governador dos Açores, já declarou públicamente que não vai cumprir essa determinação nas terras so seu domínio.

   O Presidente da República veio a público declarar que essa decisão era injusta pela desigualdade que criava entre funcionários do continente e açorianos e, provavelmente anticonstitucional.

   O Primeiro Ministro, com o ar empertigado de sempre, assegurou que as determinações do governo eram para cumprir mas os Açores são uma região autónoma e nem lhe passava pela cabeça (se é que a tem) imiscuir-se na vida interna açoriana...!!!

   O Ministério das Finanças, com a mesma certeza com que afirma há 6 anos que os impostos não vão subir e que o PIB vai aumentar,

assegura a sua certeza de que a lei é para cumprir em todo o País.

   O poeta Alegre, candidato presidencial, considera um disparate o que o Presidente afirmou, cala-se sobre o que Sócrates e Teixeira dos Santos disseram (essencialmente o mesmo que Cavaco) e acha muito bem que haja 2 pesos e 2 medidas para a mesma situação!

 

   PS: Carlos César foi  o primeiro apoiante do poeta Alegre nesta sua candidatura e, consta, seu grande financiador!

           Coincidências...!!!

 



Outubro 25 2010

   Já leu o post anterior?

   Então, saiba mais:

   Vasco Gueifão foi fundador da F9 Consulting.

   Pois este indíviduo foi nomeado assessor daquela Secretaria de Estado (SE) em 2006, mantendo funções, simultaneamente, naquela empresa!

   E a quem é que a SE encomendou os estudos de introdução de portagens nas SCUTs?

   À F9 Consulting, evidentemente!

 

   Branco é, galinha o pôs!!!


emgestaocorrente às 21:27

Outubro 25 2010

   Sabe quem é Paulo Campos?

   É o Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações que tem a seu cargo a cobrança de portagens nas SCUTs.

   Sabe quem é Pedro Bento?

   Era assessor de Paulo Campos.

 

   Pedro Bento pediu a demissão de assessor; sabe porquê?

   Porque foi exercer as funções de administrador executivo, em Portugal, da Q-Free.

   E o que é a Q-Free?

   É a empresa fornecedora dos chips de matrícula que o governo quer utilizar nas SCUTs e a quem comprou os pórticos de pagamento de portagens!!!

   E o primeiro negócio internacional desta empresa norueguesa fez-se com quem?

   Com o governo português!!!

 

   Branco é, galinha o pôs!


emgestaocorrente às 20:50

Outubro 06 2009

 

    IRS: 95% para o governo, 5% para as autarquias.

   É destes 5% que o governo quer que saiam os incentivos para fixação no interior!!!

 

    Tirem-me deste filme que já não tenho pachorra!

 


 

emgestaocorrente às 11:46

Julho 02 2009
Incidente no debate do estado da Nação
 
Manuel Pinho faz chifres para bancada do PCP 
 
02.07.2009 - 17h59 Maria José Oliveira, Nuno Simas
É o caso do debate do estado da Nação de hoje. Tudo porque o ministro da Economia, Manuel Pinho, fez um gesto, colocando os dedos indicadores na testa, a imitar chifres, dirigindo-se a Bernardino Soares, líder parlamentar do PCP. Manuel Pinho reuniu-se, entretanto, com os ministros Augusto Santos Silva e Pedro Silva Pereira numa das salas do Governo, mas nada se sabe sobre o encontro.

O debate era sobre a situação das Minas de Aljustrel e Bernardino Soares lembrou que Pinho teria ido à vila alentejana “dar um cheque”. Foi então que o ministro reagiu com o gesto que deixou os comunistas e bloquistas ofendidos.

Pouco tempo depois, já o Bloco de Esquerda, partido que estava a usar da palavra no debate, também exigia um pedido de desculpa. Por essa altura, já o Bloco pusera a circular uma imagem de Pinho com os dedos na testa. Foi o ministro dos Assuntos Parlamentares, Augusto Santos Silva, que admitiu tratar-se “de um excesso”, a pedir desculpas ao PCP. Bernardino Soares aceitou as desculpas.

Manuel Pinho admitiu o excesso – “excedi-me” – e abandonou a Assembleia. Questionado pelos jornalistas, ao abandonar o hemiciclo, Manuel Pinho reconheceu tratar-se de “um gesto desesperado”, mas recusou que o incidente seja suficiente para deixar o Governo. “Absolutamente, sobretudo enquanto safar postos de trabalho”, disse Pinho, que lembrou o esforço – “passámos muitas noites sem dormir” – para tentar “salvar” postos de trabalho nas minas de Aljustrel.

Bernardino Soares afirmou que este caso “é uma triste marca para o debate da Nação”. Depois do pedido de desculpas de Santos Silva, o deputado comunista não falou a Pinho que se terá limitado a acenar com a mão em pedido de desculpas.

Entretanto, Manuel Pinho - que regressou ao debate mas saiu para reunir com Santos Silva e Silva Pereira - já pediu desculpas pessoais a Francisco Louçã, mas o líder bloquista insiste num pedido formal no plenário.

Notícia actualizada às 18h54
 
 

 

 

Rapinado do "PÚBLICO" (www.prensaescrita.com)

 


 

emgestaocorrente às 19:22

Junho 30 2009
 
Recebi, por e-mail, este texto que me parece merecer uma atenta e aprofundada atenção:




'A CULPA É TODA SUA, SRª MINISTRA!'

"AS ESCOLAS PORTUGUESAS ESTÃO UM VERDADEIRO CAOS!!!!

Depois de ouvir hoje o que disse a Srª Ministra, depois de ler os
desabafos de muitos colegas nossos, na minha Escola, na blogosfera,
invadiu-me uma raiva que não consigo mais conter e gostaria de a
gritar ao Mundo.

Dizia a Srª Ministra, com o seu ar sereno, que "o processo de
avaliação de desempenho dos professores está a avançar de "forma
normal e com grande sentido de responsabilidade" na maioria das
escolas." e eu pergunto Srª Ministra:

- Quem tenta enganar? Os Professores? Os Pais dos alunos? A opinião
pública? A Comunicação social? Quem? A si própria? O seu governo?

Na maioria das Escolas, Srª Ministra, a situação é esta:

- Os Professores estão cansados, desmotivados, não aguentam tanto
trabalho para nada. Reuniões, grelhas, objectivos, mais reuniões,
relatório, mais reuniões... e continua assim, semana atrás de semana.
Resultado:

Os Professores não têm tempo para aquilo que gostam de fazer: ENSINAR!!!

A CULPA É TODA SUA, SRª MINISTRA!

Na maioria das escolas, muitos Professores que até agora eram
empenhados na preparação das suas aulas, limitam-se a fazer o mais
fácil, não têm tempo para pesquisa, para partilhar com os alunos. Os
alunos não aprendem!

A CULPA É TODA SUA, SRª MINISTRA!

Na maioria das Escolas muitos Professores que tinham ainda TANTO para
dar à Escola, eram o pilar da Escola, uma referência para os mais
novos, estão a abandonar, vão para a APOSENTAÇÃO, mesmo com
penalizações graves! É fácil perceber: por cada três que saem, entram
apenas dois, com vencimentos muito mais baixos. O factor economicista
sempre à frente!

Não lhe passa pela cabeça, Srª Ministra, o potencial humano que as
Escolas estão a perder e os efeitos de tal fuga!

A CULPA É TODA SUA, SRª MINISTRA!

Na maioria das Escolas, há Professores de baixa médica, Professores
esgotados que não aguentam mais esta loucura, que metem atestados e
então vem outro professor substituir ou não vem… não faz mal! os
alunos terão a farsa das aulas de substituição e, em vez de terem
Português ou Matemática, têm aula com um Professor de Ed. Física ou
Geografia… tanto faz, o que interessa é ter tudo ocupadinho,
Professores e Alunos. Srª Ministra, são muitas aulas em que os alunos
não têm aulas com o SEU professor, porque este está doente, em que a
matéria não é leccionada.

A CULPA É TODA SUA, SRª MINISTRA!

Na maioria das Escolas, os Professores andam às voltas com o novo
Estatuto do Aluno. A Srª Ministra mandou cá para fora um documento em
que obriga os alunos que faltam a fazerem uma prova de recuperação
mesmo que faltem porque não lhes apetece, um documento que não prevê
distinção entre os alunos que faltam porque estão doentes e aqueles
que ficaram a dormir até mais tarde. Os Professores têm que fazer a
prova! Fazer a prova, prepará-la, corrigi-la, plano de
recuperação…quantas horas implica tudo isto, Srª Ministra? Solução
fácil! Esqueçamo-nos de marcar faltas! Se isto é para ser a brincar,
nós fazemos-lhe a vontade.

A CULPA É TODA SUA, SRª MINISTRA!

Os Professores que até ao ano lectivo anterior eram uma classe que
partilhava, onde não se sentia, regra geral, a competição, deixaram de
confiar uns nos outros, vivem em função da avaliação de desempenho,
num verdadeiro egoísmo. Desconfiam do colega que o vai avaliar, querem
apanhar as quotas dos Excelentes ou Muito Bom. O mau estar nas Escolas
é geral, um clima de desconfiança instalou-se!

A CULPA É TODA SUA, SRª MINISTRA!

E dirá a Srª Ministra: "Os Professores não querem ser avaliados".
Engana-se Srª Ministra "Os Professores querem ser avaliados!!!! Sempre
foram, tal como Vossa Excelência é e será avaliada (talvez não precise
de tanta grelha, mas será!!). Os Professores fazem um trabalho
público! São avaliados diariamente. QUEREM UMA AVALIAÇÃO SÉRIA e não
um faz-de-conta.

Mas acha, Srª MINISTRA, que é avaliar seriamente um Professor, quando:

1 – Um colega (que pode ter menos habilitações e não é da área
disciplinar) vai assistir a TRÊS aulas em 150 aulas que um Professor
dá à turma? É tão fácil BRILHAR em três aulas, mesmo que nas outras
147 não se faça nada! Os Professores já tiveram aulas assistidas nos
estágios…. Sabem fazê-lo. Não têm medo disso, Srª Ministra!!! Isto é
avaliação séria, Srª Ministra?
<!--[endif]-->

2 – Um colega Coordenador de Departamento é de Francês/Inglês
(excelente profissional na sua área, mas como viveu muitos anos em
França, tem dificuldades na língua Portuguesa) vai avaliar um colega
de Estudos Portugueses que, por não ter tido tantos cargos como o
primeiro, não é TITULAR e por isso vai ser avaliado nas suas aulas de
Português (com 30 anos de serviço) pelo primeiro. Isto é avaliação
séria, Srª Ministra?

3 – Um colega de Educação Tecnológica, com uma licenciatura da
Universidade Aberta obtida há alguns anos, vai avaliar colegas de
MATEMÁTICA do seu Departamento (Ciências Exactas), alguns já com o
Mestrado na área (Repito: os colegas são excelentes profissionais, mas
não PODEM SER avaliadores de quem tem mais ou diferentes habilitações
do que eles. Eles não têm culpa e muitos desejavam não representar tal
papel). Isto é avaliação séria, Srª Ministra?

4 – Um dos elementos da avaliação dos alunos é a progressão dos
resultados escolares dos seus alunos. Srª Ministra, é tão fácil
falsear a progressão dos resultados escolares dos alunos…se NÃO formos
sérios e quisermos contribuir apenas para o sucesso estatístico. Acha
que os Professores, sabendo que estes dados contam para a sua
avaliação, vão dar classificações baixas? Isto é avaliação séria, Srª
Ministra?

5 – E o dito portefólio ou "dossier pedagógico" ser outro factor na
avaliação?! É tão fácil, hoje em dia, enchê-lo com materiais LINDOS,
pedagógicos….mesmo que os alunos nem os tenham visto, mesmo que estes
materiais não sejam nossos. Isto é avaliação séria, Srª Ministra?

E finalmente, uma das aberrações do 2/2008

6 – O Presidente do Conselho Executivo, e simultaneamente Presidente
do Conselho Pedagógico, não precisa ser TITULAR! Como explica isto Srª
Ministra? A senhora Ministra criou esta distinção entre TITULARES e
PROFESSOR! Então os Professores TITULARES não seriam aqueles que iriam
desempenhar as funções de maior responsabilidade nas Escolas, um grupo
altamente qualificado? Ou será que o Presidente do CE e do CP não é um
cargo de responsabilidade? Como justifica que não seja necessário o
título de TITULAR, se para outros cargos de menor importância, como
Coordenador de Departamento ou de Directores de turma tal cargo é
exigido? EXPLIQUE Srª Ministra! E quando este mesmo Presidente do
Conselho Executivo tem apenas o equivalente ao antigo 7º ano (ou seja,
é bacharel, depois de uma formação à distância de alguns meses)? Há
TANTOS nas nossas escolas! Vai avaliar colegas com mestrados e
licenciaturas? É ele que vai avaliar TODOS os colegas da Escola.
Muitas vezes, para além de ter habilitação muito inferior aos
avaliados, há anos que não lecciona! Isto é avaliação séria, Srª
Ministra?

7 – Claro que há Professores, como há médicos, como há advogados, como
há MINISTROS menos competentes. Mas acha que é assim que a situação
vai melhorar? Quem não é tão bom profissional, vai continuar a não
sê-lo e os bons agora também não têm tempo para o ser. Por que razão
não se ajuda com avaliação formativa aqueles que têm mais
dificuldades, sem o intuito de os penalizar? Acha que é justo um
avaliador faltar às aulas das suas turmas (12avaliadosx3 aulas de
90mn= é só fazer as contas) para ir avaliar colegas? E os alunos ficam
entregues a outros Professores que podem não ser seus? Então primeiro
a avaliação dos Professores e depois a dos alunos?

Isto é avaliação séria, Srª Ministra?

Srª Ministra:

- Sou uma professora que, tal como milhares neste país (a senhora viu
quantos no 8 de Março, mas fez que não viu!), dediquei toda a minha
vida ao Ensino. Dei sempre o meu melhor, trabalhei com gosto para os
meus alunos, férias, fins-de-semana, noites; gosto de ensinar mas
sinto-me REVOLTADA por a srª Ministra nos ter tirado (ou querer tirar)
esse grande prazer: ENSINAR!

- Sou uma Professora que, tal como milhares neste país, poderia ir
agora para a reforma, mesmo com penalizações, mas VOU RESISTIR, não
vou deixar que me obriguem a abandonar com mágoa, os meus alunos, a
minha Escola!

- Sou uma Professora que confio no bom senso e tenho esperança que
ainda vá a horas de não deixar a degradação atingir, ainda mais as
nossas escolas.

- Srª Ministra oiça gente que sabe, (muita gente) dizer que é um crime
o que se está a passar nas escolas portuguesas. Medina Carreira disse
há poucos dias que se os pais tivessem a verdadeira percepção do que
se está a passar na Escola em Portugal, viriam para a rua. Ele sabe do
que fala.

- Srª Ministra OIÇA os Professores. Eles estão nas Escolas, no
terreno. Mais do que ninguém, eles estão a dizer-lhe que assim NÃO
teremos sucesso educativo. Assim, o sucesso será apenas ESTATÍSTICO e
ECONÓMICO!

OS PROFESSORES (na sua maioria) SÃO SÉRIOS! QUEREM ENSINAR E QUEREM
QUE OS SEUS ALUNOS APRENDAM! CONFIE NELES!OIÇA-NOS SRª MINISTRA!

E para terminar, um poema de Alberto Caeiro que encontrei hoje no blog
Terrear e uma frase de JMA.

Des (aprender)

Procuro despir-me do que aprendi
Procuro esquecer-me do modo de lembrar que me ensinaram,
E raspar a tinta com que me pintaram os sentidos,
Desencaixotar as minhas emoções verdadeiras,
Desembrulhar-me e ser eu...

Alberto Caeiro

P.S. Peço desculpa a quem me ler, pela agressividade de algumas
expressões, mas tenho de soltar este grito de REVOLTA! Aos puristas
linguísticos, também, mas a intenção não foi fazer prosa. Imaginei a
Srª Ministra à minha frente e pus no papel aquilo que gostaria de lhe
dizer.

Peço desculpa também por não me identificar (por enquanto). Não o
costumo fazer, mas as razões são óbvias!

"A grande e inadiável urgência de desaprender. De ver. Mesmo que isso
nos custe. Porque a alternativa só pode ser a cegueira" JMA in blog
Terrear

 


Fevereiro 02 2009

    

   Do "Correio da Manhã" de hoje uma excelente crónica de António Ribeiro Ferreira; com a devida vénia:

     

      

02 Fevereiro 2009 - 13h08
Estado do Sítio

 

  Lavandaria rosa

 

   O senhor Presidente da República classificou o caso Freeport como um assunto de Estado. É natural que esta afirmação de Cavaco Silva já esteja a ser devidamente analisada pela central de contra-informação rosa que pretende reduzir o processo de Alcochete a uma campanha negra, uma miserável cabala, uma urdidura, uma infame ignomínia montada por uma central que pretende atingir pessoal e politicamente o senhor Presidente do Conselho e, por tabela, decapitar a direcção do Partido Socialista.

   Nada de novo, portanto. A imaginação dos pobres agentes da central de contra-informação rosa anda, manifestamente, pelas ruas da amargura. Imaginam que os bons resultados obtidos no processo de pedofilia da Casa Pia se vão repetir neste caso Freeport. Acontece que as situações são diferentes, a violação de menores não se compara à corrupção ou ao tráfico de influências e, para azar dos contra-informadores, no terreno também anda uma autoridade inglesa, a Serious Fraud Office, que legitimamente quer saber para que bolsos foram parar uns milhões de libras de uma empresa britânica que acabou falida e vendida a baixo preço a um grupo liderado por altas figuras da política norte-americana, com estreitos laços a eminentes figuras deste sítio corrupto, manhoso, pobre, deprimido e obviamente cada vez mais mal frequentado.

   É evidente que a estupidez e tacanhez dos agentes da central de contra-informação vai ao ponto de negar legitimidade às autoridades ingleses de investigar personalidades lusas, sejam elas quais forem, suspeitas de ter participado de forma criminosa no processo de licenciamento do Freeport. É evidente que a central de contra-informação tem alguns pequenos problemas. Não conseguiu explicar até agora porque é que o Ministério Público luso decidiu entrar numa empresa e numa casa de um tio do senhor Presidente do Conselho e tenta atirar para o caixote do lixo uma interessante conversa entre tio e sobrinho em que é denunciada uma tentativa de extorsão de dinheiro.

   É obvio que os e-mails enviados pelo primo aos promotores a pedir contrapartidas e as mensagens destes para a empresa a justificar o pedido de avultadas verbas para subornos são, para os contra-informadores, não factos mas apenas peças da tal campanha negra. Neste sítio, pelos vistos, não há corruptos e corruptores. Só há gente que fez fortunas por milagre e uns tantos almocreves que fazem autênticos milagres nas lavandarias do regime.

 

António Ribeiro Ferreira, Jornalista

     


 


Dezembro 04 2008

   

   Jorge Carreira Maia, "A Ver o Mundo", de certo modo tem razão quando escreve:

As causas da única e verdadeira oposição

 

 

É muito curioso que certos blogues dados à política se recusem a assinalar o óbvio: a verdadeira e a mais frontal oposição a este governo vem dos professores. Parece ser o único grupo social que percebeu a essência da política socratista: o vazio, o niilismo, a destruição de qualquer coisa que ainda funcione. É provável que muitos e muitos professores, talvez a maioria, não tenha sequer consciência plena do que está a fazer. Mas o instinto docente, aquilo que leva cada um a enfrentar a sua profissão, foi um poderoso sinalizador de que não é possível continuarmos na destruição de valores essenciais para as nossas sociedades: a disciplina, a ordem, o trabalho, o reconhecimento do mérito. Os professores podem honrar-se de estar a defender os valores essenciais que a comunidade depositou nas suas mãos para transmitir às novas gerações. Nunca o niilismo foi tão arrogante, nunca a destruição dos valores essenciais a transmitir às novas gerações foi tão longe, como com o actual governo. Nunca um grupo social foi tão claro na defesa dos valores essenciais. O que está verdadeiramente em causa é muito mais do que o método de avaliação de professores, a divisão artificial de uma carreira ou um Estatuto corporativo. O que está em causa é a defesa dos valores essenciais que permitem que a nossa comunidade continue a existir no futuro. O que está em causa é fazer frente ao niilismo que avança ferozmente e que tem neste governo um agente esforçado e dedicado.

 

 

  


 

emgestaocorrente às 19:16

Dezembro 04 2008

  

   Jorge Carreira Maia em "A Ver o Mundo" publicou este excelente post:

Qual a causa que move o governo?

 

 

Mais um dia de conflito entre professores e governo. Muitos de nós, onde me incluo, decidiram abdicar de um dia de salário para protestar contra a política educativa de Sócrates e de Lurdes Rodrigues. E, no entanto, todos nós já percebemos qual é a política educativa deste governo: chegar às eleições e dizer que já há avaliação de professores, como se antes deles não houvesse. Se o processo de avaliação antes da manifestação de Novembro era perverso e diabolicamente burocrático, os remendos tornaram-no em qualquer coisa de irrisório, numa desconsideração pela racionalidade dos professores. A única coisa que move Sócrates são os votos, o poder apresentar qualquer coisa ao eleitorado, nem que seja mais uma farsa na escola pública. É isto o que move o governo. Mas isto é também a confissão não apenas da irresponsabilidade dos governantes, como da falência de uma maioria absoluta, a qual para pouco ou nada serviu. É o que dá entregar a governação do país a gente como esta. E eu, infelizmente, também votei neles.

 

 

                 


 


Novembro 18 2008

   

  O Financial Times considera Teixeira dos Santos o pior Ministro das Finanças da UE (ver post anterior).

  Teixeira dos Santos ainda é o único ministro deste governo que merece algum respeito e credibilidade.

  Se alguém lá fora conhecesse gelatinas políticas como o porcelana chinesa da agricultura ou o bimbo das farturas da economia, como os classificariam?

     


 

emgestaocorrente às 22:28

Novembro 18 2008

SEM COMENTÁRIOS:

 

 
 

 

Publicado 18 Novembro 2008 10:58
Economia
19 países
"Financial Times" classifica Teixeira dos Santos como pior ministro das Finanças da UE
O ministro português Fernando Teixeira dos Santos, é considerado pelo jornal britânico "Financial Times" (FT) como o pior ministro das Finanças entre os 19 países da União Europeia (UE) analisados. O fraco desempenho da economia nacional e o baixo perfil europeu justificam a escolha.

Patrícia Silva Dias
patriciadias@mediafin.pt

O ministro português Fernando Teixeira dos Santos, é considerado pelo jornal britânico "Financial Times" (FT) como o pior ministro das Finanças entre os 19 países da União Europeia (UE) analisados. O fraco desempenho da economia nacional e o baixo perfil europeu justificam a escolha.

A classificação do FT, que tem em conta indicadores económicos e a opinião de um painel de economistas, atribuiu a pior “performance” política ao ministro português (19 pontos). É este o principal factor a justificar a má nota.

Teixeira dos Santos está também entre os governantes europeus com pior desempenho a nível macroeconómico. Pior no “ranking” do FT estão apenas os ministros das Finanças do Reino Unido, Alistair Darling, e de Espanha, Pedro Solbes.

A melhor classificação atribuída ao ministro português é na estabilidade (11 pontos), o que perfaz uma classificação média de 16,4 pontos. A mais alta entre todos os países da UE e, por conseguinte, a pior nota.

O “ranking” deste ano do FT é liderado pelo ministro da Finanças da Finlândia, Jyrki Katainen, com uma classificação média de 3,8 pontos. A estibilidade do sistema financeiro e o equilíbrio orçamental são os pontos fortes do governante finlandês.

Ministro País Economia Política Estabilidade Classificação média
Jyrki Katainen
Finlândia 4 4 3 3,8
Peer Steinbruck
Alemanha 2 11 2 4,7
Jean-Claude Juncker
Luxemburgo 7 9 1 6,4
Anders Borg
Suécia 9 3 6 6,6
Wouter Bos
Holanda 11 4 4 7,5
Jan Pociatek
Eslováquia 1 16 16 8,5
Christine Lagarde
França 15 2 5 9,1
Lars Rasmussen
Dinamarca 10 10 7 9,4
George Alogoskoufis
Grécia 3 18 15 9,9
Wilhelm Molterer
Aústria 6 17 10 10,1
Jacek Rostowski
Polónia 5 15 18 10,6
Didier Reynders
Bélgica 11 12 8 10,7
Miroslav Kalousek
República Checa 7 13 17 10,8
Alistair Darling Reino Unido 19 1 9 11,6
Giulio Tremonti
Itália 14 7 13 11,7
Janos Veres
Hungria 11 8 19 11,7
Pedro Solbes
Espanha 16 6 12 12,2
Brian Lenihan
Irlanda 18 13 14 15,7
Teixeira dos Santos
Portugal 17 19 11 16,4
Fonte: OCDE, Markit, Comissão Europeia e painel Financial Times
Nota: 1 = melhor classificação
emgestaocorrente às 20:16

Novembro 11 2008

    

   O Liceu Nacional Infanta D. Maria (era assim que se chamava no meu tempo) tem sido, ao longo dos anos, a escola pública mais bem classificada no ranking das secundárias do país.

    Isto pressupõe, como a comunicação social tem afirmado, um corpo docente estável, qualificado, dedicado, de alto nível e sem faltas.

   Portanto, um corpo docente candidato a ficar muito bem classificado na avaliação dos professores.

   Esta tarde surge a noticia de que os professores, por unanimidade!!!, tinham decidido suspender o processo de avaliação.

   Assim, cai por terra a ideia sempre subjacente nas palavras da Ministra de que só os maus professores é que estavam contra o modelo de avaliação.

   E se estes professores, em principio os mais bem classificados do país, estão contra é porque o modelo está mal concebido e/ou mal executado.

   E se está mal concebido ou está a ser mal executado, a primeira obrigação de uma ministra responsável (e inteligente) é arrepiar caminho e alterar, ou substituir, o que a prática mostra estar errado.

   Não é possível reformar o ensino contra todos os professores, mesmo os melhores!

   O resto é miopia, intransigência e estupidez autoritária.

   Também com aqueles Secretários de Estado!

   Haja Deus!

     


  


Novembro 04 2008

  

   Vitor Constâncio, famosa luminária da economia democrática, é governador do Banco de Portugal desde os tempos da gelatina falante que fugiu do governo, após ter posto o país num pantano, para ir ocupar uma gaiola dourada (muito bem paga!) num lugar qualquer da ONU que o obriga a uma visita semestral a África para tirar meia dúzia de fotografias com uns pretitos esfarrapados e esfomeados.

   Manteve-se, vá-se lá saber porquê!, durante o tempo daquele senhor que viu o poder cair-lhe nas mãos sem saber como e que jurou que o Iraque estava atafulhado de armas de destruição massissa (como se veio a verificar!) enquanto negociava um tacho dourado na Europa com os senhores do mundo e da guerra.

   Fugiu do país como o antecessor que tanto criticara; o país é que, mais uma vez, não conseguiu fugir e continuou a afundar-se no pântano.

   Após um breve interregno, abrilhantado pelos gatos fedorentos, veio o Eng.º Chavez (da Independente) que acabou de afundar o país, mantendo o senhor Constâncio constantemente num dos mais bem remunerados lugares de gestão em Portugal.

   Esta autêntica gelatina vitalícia que se tem celebrizado por nunca acertar numa previsão económica e por fazer malabarismos sobre contas públicas e deficites da economia nacional a gosto dos seus camaradas partidários, tem dormido o sono dos justos, acordando para as desvergonhas praticadas por alguns bancos apenas meses depois dos jornais publicarem e denunciarem aquelas malfeitorias.

   Já assim foi com os escândalos do BCP, assim volto a ser com os escandalos do BPN, há anos tema de falatórios de toda a gente excepto daquela virginal e gelatinosa entidade reguladora!

   Agora que o sr. Eng.º Chavez já conseguiu nacionalizar ou dominar a administração da CGD, do BCP e do BPN, o melhor é reuni-los todos numa só administração e dar a sua presidência ao Eng.º, pois está na altura de ele fazer como os dois comparsas anteriores e fugir do pântano cada vez maior e mais lodoso.

   Haja Deus, que o povo já não aguenta mais!

 


 


Novembro 02 2008

    

   Do 31 da Armada:

  

O momento da vergonha

 

"Eu tinha vergonha de lá estar e ouvir um primeiro-ministro de Portugal a dizer que os seus assessores não precisavam de outro computador para trabalhar a não ser o "Magalhães", concebido para as crianças do ensino básico, o que implica que devem passar o dia a soletrar a tabuada com carneirinhos e florzinhas a voar no ecrã. Deve ter sido assim que foi feito o Orçamento pelos assessores, a jogar ao "peixinho" no "Magalhães", até que uma "mão invisível" saindo da sombra, certamente com um Dell ou um Sony Vayo ou um MacBook Air ou um qualquer computador muito a sério, lá escreveu a anónima alteração da lei do financiamento partidário. Essa não foi feita de certeza num "Magalhães". É que, se fosse verdade que os seus pobres assessores tivessem de laborar nos seus gabinetes de "Magalhães" à frente, o que obviamente não é verdade, isso diria muito sobre o infantilismo de toda esta conversa."
 

José Pacheco Pereira, no Público [via Blogue Atlântico]

 

Adenda: o texto integral pode ser lido aqui



 

  


 


Novembro 02 2008

   

   O governo, este domingo - eles não param, meus senhores!, anunciou a nacionalização do BPN.

   Parecia um regresso ao 11 de Março de 1975 e ao sol dos povos - a gloriosa União Soviética!

   O que mais admira é que o angélico Vítor Constâncio, eterno governador do Banco de Portugal - com um dos mais chorudos ordenados deste país, falava, na conferência de imprensa, ao lado de Teixeira dos Santos com o ar virginal de quem tinha acabado de saber das desvergonhas do BPN naquele mesmo instante!

   Mas o Sr. Constâncio não é principescamente pago para fiscalizar e regular as actividades bancárias?

   Há anos que publicamente se falava das coisas estranhas que se passavam naquele banco; a comunicação social há anos que levantava pontas do véu.

   E o Banco de Portugal e o seu inefável governador quietos e calados???

   Já com o BCP-Millenium, o sr. governador só soube das desvergonhas meses depois de virem nos jornais!!!

   


 

emgestaocorrente às 20:42

Novembro 02 2008

 

   Sócrates, pela enésima vez, declarou que o Estado ia pagar as dividas e, pela enésima vez, prometeu começar a pagar a tempo e horas.

   Ninguém, nem o próprio governo, sabe quanto é que o estado deve a empresas e particulares.

   Fala-se em 2.500 milhões de €.

   Mas entre administração central, regional, local e institutos e empresas públicas, aquele valor deve ser multiplicado por um x que ninguém consegue calcular.

   Só os hospitais e só em medicamentos a divida já vai em perto de 800 milhões de €!

   A verdade é que, apesar das tonitruantes declarações do anterior ministro, Correia de Campos, e das promessas do primeiro ministro, a divida vai subindo e o tempo de divida também.

   Não virá longe o dia em que Sócrates não caberá nas portas, tão longo será o se nariz!

    


 

emgestaocorrente às 20:28

Outubro 23 2008

   

   Sócrates  e os seus publicitários todos os dias nos anunciam novas maravilhas e milagres que o seu governo oferece ao país.

   A verdade é que do seu governo resultou uma estagnação económica, um aumento da inflação, mais desemprego, maior défice do comércio externo, maior endividamento do país, das empresas e das famílias, aumento da despesa pública à custa da despesa corrente e da diminuição do investimento, maior carga fiscal e menor rendimento dos cidadãos!

   Parabéns Universidade Independente!

 

   

 

2004
2008
Crescimento Económico
1,5%
0,8%
Inflação
2,5%
2,9%
Desemprego
6,7%
7,6%
 
Défice Externo
6,1%
do PIB
10,6%
do PIB
Endividamento do País
64%
100%
Despesa Pública Total
46,4%
47,8%
Despesa Corrente
42%
44,3%
Despesa Corrente Primária
39,3%
40,9%
Dívida Pública
58,3%
64%
Carga Fiscal
34,2%
37,5%
 
Rendimento por Habitante
74,7%
da média europeia
73,3%

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 


mais sobre mim
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


links
pesquisar
 
WEBOSCPE
Colocado a 1/10/2008
subscrever feeds
blogs SAPO