Em gestão corrente ...como o País...

Julho 05 2007

        

   Do blogue Mar Salgado, com a devida vénia, rapinámos este excelente post   sobre as novas regras para a liberdade de expressão em democracias socialistas, versão socrática.

   Parbéns ao autor do post  VLX (Vasco Lobo Xavier?).

     

Mar Salgado

Quinta-feira, Julho 5:

NOVO ESTADO: Face ao estado novo a que isto chegou, acho que devemos todos agradecer reverencialmente à Senhora Secretária de Estado o permitir-nos dizer mal do governo dentro de casa. Considero, no entanto, que se deveria precisar melhor a coisa. Cá por coisas.
Assim, deveria ficar bem regulamentado (por portaria ou coisa do género) aquilo que se poderia dizer do governo, em cada casa, e como. Isto porque o meu vizinho fez ontem uma festa com umas 20 pessoas (sem contar a sogra, que se babava ressonando no sofá, e algumas crianças e adolescentes) e, de varanda para varanda, eu ouvi 24 vozes de adulto, todas diferentes, a dizer alto e a bom som: "cambada de ditadorezinhos que nos governa" (o que indicia, Senhora Secretária de Estado, que poderá lá ter estado, também, o Fernando Pereira. Mande investigar).

Ora se se me afigura legítimo que cada um diga mal deste governo em sua casa, já não me parece próprio da democracia e da liberdade socialista actuais que as pessoas possam andar a dizer mal do governo em casa de uns e de outros, ou de casa em casa. Alguns dos convidados do meu vizinho nem eram desta freguesia nem sequer do concelho! Cada um que vá dizer mal do governo para a sua freguesia!
O que seria da liberdade socialista se as pessoas pudessem andar de freguesia em freguesia, de concelho em concelho, de distrito em distrito a dizer mal do governo? - seria seguramente um corrupio inacreditável de migrações, o caos nas estradas, a alegria das transportadoras. Naaaa, isto não pode ser permitido. Nunca por um governo socialista.

As pessoas podem dizer mal do governo, sim senhor, estamos num país livre, mas só se for dentro das suas próprias casas, devidamente registadas em seu nome na CRP respectiva, apresentando (caso as autoridades ou qualquer vizinho bufo batam à porta a exigir) a dita certidão e a de nascimento actualizadas, bem como a permissão para falar mal do governo, emitida pelo Presidente da Junta de Freguesia, com selo branco, e actualizada anualmente. Originais.
Os convidados não poderiam falar mal do governo nas casas a que fossem, com excepção dos que vivessem no mesmo condomínio ou num raio de 100 metros, mas desde que estivessem munidos de toda a documentação atrás referida. Isto é o que eu julgo que deve ser feito. Já inquilinos não poderiam falar mal do governo porque, em bom rigor, nunca estão nas suas casas. Os proprietários de diversas casas teriam de indicar, anualmente, aquela em que pretenderiam dizer mal do governo. E não poderiam alterar a declaração a não ser no ano seguinte. Assim evitar-se-ia que dissessem mal do governo nas suas casas de fim-de-semana ou nas de férias. Em férias, naturalmente, a maioria da população ficaria impedida de falar mal do governo, o que tornaria o AllGarve uma imensa área onde não se comentaria o génio do Ministro Pinho. Não esquecer determinar-se para os prevaricadores a instauração de processos de contra-ordenação (criminais não seria pior mas o governo de V. Exa. gosta de carregar nas coimas).

Pertinente também tratar da questão das zonas comuns. Deverá poder falar-se mal do governo nas zonas comuns? Pergunto porque o último convidado do meu vizinho a sair, ainda no corredor, perto da minha entrada, vociferou contra todas as progenitoras de todos os membros do governo, desde lá de cima até aos chefes de gabinete e assessores de imprensa. "Principalmente esses", berrava ele com a lucidez do bom vinho. Isto enquanto a pobre da mulher o mandava calar ou falar baixinho; "não estamos na DREN, a dride já acabou", clamava o homem um pouco confuso, "não sou o Charrua". Ora eu não estou para ouvir estas indignidades sobre o nosso digníssimo governo ou sobre as direcções regionais do que quer que seja. Devia estabelecer-se que nas zonas comuns não se poderia dizer mal do governo. Já agora, proibir também nos arrumos, arrecadações e mesmo nos lugares de garagem, ainda que pertencentes às respectivas fracções, para a criadagem não ficar a falar mal do governo quando vai lá baixo buscar batatas ou cebolas. Aproveite-se para alargar a proibição aos sótãos (nunca esqueçamos os ensinamentos da História) e durante os jogos de cartas, designadamente, sueca.

Evidentemente, junto às caixas registadoras das mercearias deveria igualmente ser proibido falar mal do governo. É por essas e outras que as pessoas se enervam e se enganam nos trocos, com prejuízos gravíssimos na economia nacional. Discretamente, dever-se-ia colocar um artiguinho no regulamento que atendesse a esta necessidade.

Não esquecer nunca as crianças. Isto é inconcebível! Em casa dos meus vizinhos estavam umas dez crianças entre os 8 e os 16 anos, todas ali a ouvir que eram governadas ora por uns ditadorezinhos, ora por uns ditadorezecos, ora por uns palermóides sem senso, onde é que isto vai parar? Em que lar nojento os filhos dos membros deste governo os irão meter?
Acho que devia ser proibido falar mal deste governo, ainda que nas próprias casas, à frente de crianças. Só depois dos 18 anos. Talvez 21, não lhe parece melhor? Até lá elas não devem saber que este governo lhes anda a torrar o futuro, carregando-as de dívidas.

À frente dos velhos também não se devia poder dizer mal do governo. Os velhos já dizem, eles próprios, mal de tudo; se vão estar sempre a ouvir dizer mal do governo a vida deles transforma-se num inferno e queima o governo: vão começar a reclamar mais pelas pensões. Ora isto não pode ser que a malta precisa da massa para brincar com os comboios e os aviões. Onde se viu gastar com velhos quando há por aí tantos aeroportos novos para fazer, montanhas para deitar abaixo e a necessidade premente de reduzir em dez minutos a viagem ferroviária Lisboa/Porto? Eu sei que a sogra do vizinho não ouve nada, mas uma admoestaçãozinha pela manifestação (sim, Senhora Secretária de Estado, aquilo parecia uma manifestação à séria) que o meu vizinho promoveu era coisa que se justificava seguramente. Talvez umas chibatadas na praça, aos domingos de manhã.

Enfim, estas são apenas algumas ideias para a redacção do diploma. Eu oferecia-me para o redigir, mas V. Exa. tem seguramente no governo pessoas com muito maior capacidade e imaginação para o fazer. Força! Mãos à obra!

 

posted by VLX on 11:53 AM # (2) comments

   

 


 

emgestaocorrente às 19:02

Olá,

Desculpe a minha intromissão no seu espaço, mas tenho a dizer (mesmo que me tentem impedir de o fazer!) que esta nova anedota até veio trazer um pouco de esperança na nossa política actual.
Sim, porque o facto de haver um membro do governo capaz de dizer em "público" aquilo que realmente faz em casa é um sinal de esperança, embora muito fraquinho...
E mais, agora... se alguém meter o pé na poça e disser umas piadas sobre altas individualidades poderá sempre corrigir dizendo que se sentia em casa.
O exemplo vem de cima, não é verdade?
Pois bem, cumpre-me então dizer o seguinte e isto posso fazê-lo em qualquer parte do mundo: ELES NÃO HÃO-DE LÁ FICAR PARA SEMPRE!
E, desculpe-me o senhor ter "invadido" a sua casa para o fazer!
Mónica
mnike30 a 5 de Julho de 2007 às 20:53

O espaço é meu mas pode (e deve!) acolher a participação de todos os que me honram com a sua visita.
Obrigado pela participação ... e volte sempre!
Cordiais saudações

Realmente, já tinha percebido que a "malta do tacho", sim porque hoje em dia, quem não se quiser preocupar com congelamentos de salários, penalizações por antecipação de reforma e desemprego, só tem uma saída: ir para o tacho! Mas como ia a dizer, já tinha percebido que essa malta anda a tentar amordaçar o povo, mas eu também digo, e ainda só tenho 30 anos, que isto qualquer dia acorda com outra revolução! E se quer saber, começo a perceber porque é que o Salazar ganhou lá o concurso do maior português! Acho que o povo quer que alguém ponha mão nisto! Mas a sério! E que corram de uma vez só com os chupistas de São Bento! Todos sem excepção!
E se não resultar, há sempre a hipótese de sermos anexados á Espanha! Que pelo menos vivia-mos bem melhor! Mas isso, já é culpa do D. Afonso Henriques, que deu uma tareia á mãe!
Abraços!
tugafixe a 6 de Julho de 2007 às 23:10

mais sobre mim
Julho 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
12
13
14

15
16
18
19
20
21

22
23
24
26
27
28

29
30
31


links
pesquisar
 
WEBOSCPE
Colocado a 1/10/2008
blogs SAPO