Em gestão corrente ...como o País...

Maio 08 2007

          

  

De repente do riso fez-se o pranto

Silencioso e branco como a bruma

E das bocas unidas fez-se a espuma

E das mãos espalmadas fez-se o espanto.

    

De repente da calma fez-se o vento

Que dos olhos desfez a última chama

E da paixão fez-se o pressentimento

E do momento imóvel fez-se o drama.

   

De repente, não mais que de repente

Fez-se de triste o que se fez amante

E de sozinho o que se fez contente.

    

Fez-se do amigo próximo o distante

Fez-se da vida uma aventura errante

De repente, não mais que de repente.

   

   

Vinicius de Moraes ,

in "O poeta apresenta o poeta"

  

 

 


emgestaocorrente às 22:21

mais sobre mim
Maio 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
25
26

27
30


links
pesquisar
 
WEBOSCPE
Colocado a 1/10/2008
blogs SAPO