Em gestão corrente ...como o País...

Abril 17 2008

Ternura

      

Desvio dos teus ombros o lençol,

que é feito de ternura amarrotada,

da frescura que vem depois do sol,

quando depois do sol não vem mais nada...

      

Olho a roupa no chão: que tempestade!

Há restos de ternura pelo meio,

como vultos perdidos na cidade

onde uma tempestade sobreveio...

     

Começas a vestir-te, lentamente,

e é ternura também que vou vestindo,

para enfrentar lá fora aquela gente

que da nossa ternura anda sorrindo...

     

Mas ninguém sonha a pressa com que nós

a despimos assim que estamos sós!

     

David Mourão-Ferreira, in

"Obra Poética"

   

 


emgestaocorrente às 19:07

mais sobre mim
Abril 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
18
19

20
21
22
23
24
26

27
29
30


links
pesquisar
 
WEBOSCPE
Colocado a 1/10/2008
blogs SAPO